Em Defesa da Criança

 

Associação para a defesa dos filhos dos pais separados


"Quanto mais Lei menos Justiça"

Marco Cicero - 44 a.C.

            "As Crianças são o património de valores de uma nação, mas todas elas são dependentes do investimento que a família e a sociedade faz no seu crescimento harmónico. Se a primeira dependência é da família, esta, não pode desinserir-se da sociedade e da cultura em que está integrada incluindo uma justiça de leis que a protejam na sua essência de Ser maternal e Ser paternal e não só de Ser cidadão, rentável á economia da nação."

          É com "a política da responsabilização parental, com maior exigência de reconhecimento dos direitos das crianças e dos deveres dos pais, da família, da sociedade, que se evitam as dependências, a doença mental, o agir anti-social, a criminalidade."

           "É que justiça para a criança é inseparável da exigência do cumprimento de deveres por parte dos adultos, com início nos seus progenitores pai e mãe."
(Dos Deveres da Família, Teresa Ferreira, Aveiro, 2000)

Em Defesa da Criança - Teoria e Prática Psicanalítica da Infância, Teresa Ferreira,
 organização e introdução João Seabra Diniz  e  Pedro Strecht, posfácio  Maria José Gonçalves



 SINOPSE

 Este livro é uma compilação da maioria dos textos escritos por Teresa Ferreira (1939-2001), que aqui se agrupam por temas e segundo uma ordem cronológica de publicação.
Médica pedopsiquiatra e psicanalista, deixou-nos um legado impressionante que constitui uma forma ímpar de pensar e agir em defesa da criança e dos seus direitos de crescer emocionalmente saudável.

 Discípula de João dos Santos, tornou-se mestre na arte de entender o desenvolvimento psicológico infantil, normal e patológico.
Todos os que a conheceram vão facilmente reconhecer neste livro o afecto, a clareza e a vivacidade com que abraçava a compreensão e o respeito pelos mais novos. Para outros, esta será a oportunidade de ter acesso à obra de uma figura que marcará a história da saúde mental em Portugal.

 CRÍTICAS DE IMPRENSA

 «"O bebé não tem voz a não ser daqueles que podem representá-lo, talvez por viverem em demasia a necessidade de uma identificação ao pesadelo que é a vida que vivem quando não são respeitados os seus direitos a: ser desejado pelos dois pais; ter uma mãe disponível; um pai presente, um espaço próprio (de criança), na casa de família." (...) E afirma: "Bebé não vota, mas ele é o futuro da humanidade."

 Em Defesa da Criança» (...) é um livro para pensar.
 Obrigatório para todos os técnicos que trabalham na área da saúde mental.
»

 Paula Torres de Carvalho in «Mil Folhas» (Público) em 08/06/2002