10 janeiro 2018

Mensagem do Presidente

Associação para a defesa dos filhos dos pais separados


A Associação Pais para Sempre completa em 2018 vinte anos de existência.

A problemática base subjacente à sua constituição subsiste: a necessidade e o direito de cada criança e jovem à manutenção de uma relação de grande proximidade com os seus progenitores e restante família.
Vinte anos volvidos algumas coisas progrediram.
Cimentou-se o Direito da Criança enquanto indivíduo e legitima detentora de direitos, nomeadamente refletido na alteração na legislação portuguesa da expressão “poder paternal” por “responsabilidade parental”. Existe uma maior consciência de que o exercício conjunto das responsabilidades parentais é, sempre que possível aplicar, a forma que melhor garante os direitos dos filhos. Mas é necessário fazer mais.

Não obstante nestas últimas duas décadas a realidade da família, sua constituição e valores subjacentes, tenha mudado, a sua essência enquanto célula fundamental da sociedade mantem-se, independentemente da forma que possa assumir. É no seio da família que se formam os adultos de amanhã e com eles o tipo de sociedade que existirá no futuro.

Os desafios de hoje são diferentes. Novos. Em maior número. Mudam mais e mais rapidamente. Enfrentamos hoje a democratização da informação e do acesso à internet, o surgimento da inteligência artificial, o crescente desenvolvimento tecnológico aplicado também à medicina, a facilidade de movimentação das pessoas por todo o mundo, entre outros, que mudarão a breve trecho a forma como trabalhamos, aprendemos, interagimos, nos relacionamos e pensamos; em suma, vivemos.

Estima-se que em finais de 2017 existiriam em Portugal 437 mil famílias monoparentais, 87% das quais encabeçadas por uma mãe e cerca de 55 mil por um homem.
No seio destas famílias estarão mais de 700 mil crianças e jovens – a nova geração que demograficamente se convencionou chamar de Geração Z.
Estes, mais de 1,1 milhões de cidadãos, são os potenciais destinatários do trabalho da Associação Pais para Sempre. Oriundos das três mais recentes gerações, os pais e filhos de hoje diferem na forma como viveram a sua infância, como a vida em sociedade lhes foi (ou é) apresentada e, ainda, na forma como se comportam e reagem.

Enquanto uns são mais independentes ou individualistas, engenhosos, pragmáticos e cínicos e buscam o equilíbrio na vida profissional, outros são mais otimistas e orientados civicamente, almejam a gratificação instantânea e o reconhecimento.
As Crianças e Jovens, menores de idade, de hoje, filhos dos ‘millennials’ e da geração X, são a geração autoconsciente, da informação e da internet e sofrem uma pressão social como nenhuma outra antes.

O desafio com que a Associação Paispara Sempre se depara hoje é o de contribuir proativamente para
  • a efetividade do direito de cada Criança e Jovem à manutenção de uma relação viva com ambos os progenitores e restante família;
  • intervir na construção de um Direito da Família e das Crianças e Jovens que recubra a realidade social presente;
  • promover a educação das Crianças e Jovens desde a idade pré-escolar, por forma a aculturar adequadamente cada cidadão com particular incidência nas questões relacionadas com
      • a importância e o papel da família;
      • a igualdade de género e a diversidade;
      • as relações familiares e interpessoais.

João Mouta
Presidente da Direção
janeiro de 2018